As consequências do desfinanciamento do Sistema Único de Saúde (SUS) e da crise econômica no estado transpareceram em diversos dos temas abordados na última assembleia ordinária do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (Cosems RJ). A reunião, que aconteceu no dia 6 de julho, na capital fluminense, reuniu gestores

Encontro contou com homenagem do Coren-RJ aos enfermeiros que ocupam o cargo de secretários de saúde A quinta Assembleia Ordinária do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (Cosems RJ) deste ano ocorreu no dia 8 de junho, na capital fluminense, e teve mais de 60 participantes, entre os quais

O Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (Cosems RJ) realizou, no dia 11 de maio, sua quarta Assembleia Geral Ordinária de 2017. A reunião contou com participação de cerca de 60 pessoas, entre gestores e técnicos de secretarias de todas as regiões do Estado. No encontro foram debatidas as

O Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (Cosems RJ) realizou, no dia 6 de abril, na capital fluminense, sua terceira Assembleia Ordinária deste ano. O encontro, que contou com a participação de 65 pessoas, acontece mensalmente na manhã que antecede a reunião da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) e é

Mais de 60 pessoas, entre as quais 35 secretários e secretárias municipais de saúde, participaram da 2ª Assembleia Ordinária do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems RJ), realizada na última quinta-feira, 16 de março, na capital fluminense. Além de debater os principais pontos da pauta da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) deste mês, a assembleia

O Conselho das Secretarias Municipais de Saúde elegeu na última quinta-feira, 16 de fevereiro, a diretoria que vai estar à frente da entidade até fevereiro de 2019. A eleição da chapa única “Em defesa do SUS” foi feita por aclamação em assembleia extraordinária realizada na Capital fluminense com a presença de 64 secretários municipais de

A 12ª Assembleia Ordinária do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (Cosems RJ), realizada no dia 1º de dezembro, na capital fluminense, alertou para os principais deveres e responsabilidades dos secretários municipais de saúde nesta reta final de gestão. O encerramento anual já demanda atenção dos gestores, mas este

Assembleia debate complexidade da gestão do SUS

quarta-feira, 16, novembro , 2016 by

O Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (Cosems RJ) realizou, no dia 10 de novembro, sua 11ª Assembleia Ordinária do ano. No encontro, gestores de saúde e técnicos de diversos municípios debateram vários temas, desde questões mais imediatas do cotidiano da gestão, como a necessidade de preparo para o

Gestores municipais de saúde e técnicos de secretarias de diversos municípios do Estado se reuniram na quinta-feira, 6 de outubro, na 10ª Assembleia Ordinária do Cosems RJ, e debateram portarias e projetos de lei que terão impacto na gestão da saúde. Assim como na assembleia anterior, os membros do Cosems RJ demonstraram novamente preocupação com a Proposta de Emenda Constitucional 241, que limita os gastos públicos por 20 anos. A medida, que teve seu texto-base aprovado em 6 de outubro em uma comissão do Congresso Nacional, deverá congelar os investimentos em saúde e educação nas próximas duas décadas, o que pode gerar impactos importantes nessas áreas.

Em tramitação no Congresso Nacional, a PEC 241 representa uma ameaça à sustentabilidae do Sistema Único de Saúde (SUS), ao impor teto financeiro para os gastos públicos nos próximos 20 anos. Os impactos da medida para a gestão municipal de saúde estiveram em pauta na última Assembleia do Cosems RJ, dia 15 de setembro, que reuniu secretários e secretárias municipais de saúde na capital fluminense. O assessor técnico do Cosems RJ, Manoel Santos, discorreu sobre a PEC 241. “A proposta da PEC é corrigir, pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC), os recursos federais para a Saúde durante os próximos 20 anos. Isso significa congelar o valor destinado para o setor até 2036, justamente neste horizonte de envelhecimento populacional e transição epidemiológica, que trará novos desafios para atenção à saúde e demandará mais investimentos para o SUS ”, resumiu.

TOP