Assembleia de março debate temas importantes e homenageia as mulheres do SUS

por / terça-feira, 13 março 2018 / Categoria Assembléia

Encontro abordou assuntos prioritários para a saúde pública e reconheceu o esforço das profissionais que dedicam à sua melhoria

 Secretários municipais de saúde fluminenses e técnicos se reuniram no último dia 8 para participar da edição de março da Assembleia Ordinária do Cosems RJ. O encontro debateu temas prioritários para a saúde pública no Estado e foi iniciado com uma homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado na data. A presidente da entidade, Maria da Conceição de Souza Rocha recebeu flores, entregues pelo secretário municipal de saúde de Cantagalo, Márcio Barbas. A trajetória da gestora, secretária municipal de Piraí, serviu para representar a atuação das mulheres que se dedicam a melhoria da saúde pública. “Estou honrada com a homenagem e estendo a todas as mulheres que lutam diariamente para a consolidação do Sistema Único de Saúde”, ressaltou Conceição.

Dando continuidade às atividades, a coordenadora da Rede Colaborativa no Cosems RJ, Marta Magalhães, apresentou aos presentes a Pesquisa Nacional com Gestores Municipais de Saúde, desenvolvida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com participação do Departamento de Promoção da Saúde – DPS/CCM/UFPB em parceria com Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS). A iniciativa está em seu terceiro ciclo e tem o objetivo de “Analisar o perfil do novo gestor municipal ciclo (2017-2020) no âmbito nacional e regional com vistas à identificação das potencialidades e desafios para a tomada da decisão no âmbito do SUS”. “A pesquisa foi enviada por email aos gestores. No Estado do Rio de Janeiro, 30 gestores responderam. O questionário online será enviado novamente e convido a todos a participar, já que ao final da pesquisa teremos informações importantes”, enfatizou Marta.

A colaboradora também fez um panorama da realização da 1ª Roda de Práticas e Soluções de Saúde do IdeiaSUS, no dia 27 de novembro, fruto da cooperação técnica entre o Cosems RJ e a Fiocruz. Na edição, foram apresentadas práticas dos municípios de Resende, Volta Redonda, Porto Real, Niterói, Três Rios e Silva Jardim, que abordaram temas como educação permanente, processos de gestão e planejamento, até a melhoria de fluxos assistenciais visando a melhoria da integralidade do cuidado. Marta anunciou que, como um desdobramento do Projeto Apoiadores Regionais, do qual é coordenadora, o evento será realizado nas regiões de saúde fluminenses. “Enviaremos aos gestores um edital para participação e nossa previsão é que sejam realizados três eventos no primeiro semestre, abrangendo as regiões Metropolitana II, Baía de Ilha Grande, Médio Paraíba e Baixada Litorânea. As ações serão iniciadas depois do mês de abril’, informou.

A estratégia de distribuição de repelentes para proteção individual adquiridos pelo Ministério da Saúde e distribuídos pela SES aos municípios do ERJ, foi o tema da fala do assessor técnico do Cosems RJ, Manoel Santos, durante a assembleia.  Ele apresentou uma nota técnica que define os fluxos da iniciativa no Estado do Rio de Janeiro, que tem como alvo principal as gestantes e pessoas incluídas no grupo de contraindicação à vacina da febre amarela. Os gestores precisam solicitar os produtos à SES-RJ por meio de formulário próprio conforme pactuação. A nota técnica e orientações a respeito da dispensação dos repelentes destinados às gesrantes e sua prestação de contas foram publicadas na página do Cosems RJ

Manoel apresentou também as informações do documento do Programa Nacional de Imunizações (PNI), com um retrato da cobertura vacinal nos estados de janeiro a dezembro de 2017 e sobre o abastecimento das vacinas. “Um dos fatores relacionados às baixas coberturas é o não registro ou atraso nos registros nos boletins oficiais. É preciso melhorar a qualidade dos dados da vacinação”, reforçou o assessor técnico. Sobre o abastecimento, o levantamento mostra que as vacinas BCG e contra a raiva humana (VERO) estão regularizadas. Já a Meningocócica C passa por uma redistribuição e a tendência é regularizar. “A preocupação maior é com as vacinas Tetra Viral, Tríplice Viral e Antitetânica, que apresentam um quantitativo de distribuição reduzido, assim como os soros antiveneno. Nesse último caso, é preciso construir uma rede de emergência para transferir os soros”, disparou Manoel. Sobre o tema, a presidente do Cosems RJ, Maria da Conceição de Souza Rocha, reforçou o discurso. “Já foram montados polos que oferecem esses soros. É importante lembrar que os soros não são dos pólos, mas sim de quem precisa. É preciso trabalhar em parceria, ceder o insumo no momento em que há necessidade e estar atento a questão da subnotificação dos acidentes”, completou.

Ainda durante a assembleia, foi anunciado a criação do Grupo de Trabalho de Cardiologia, uma parceria do Cosems RJ com a Superintendência de Atenção Especializada, Controle e Avaliação da SES RJ, que terá como objetivo definir e redistribuir os fluxos da Rede de Cardiologia no Estado. O cadastro dos municípios no Programa de Informatização das Unidades Básicas de Saúde (PIUBS) também foi tema da pauta do encontro, com uma apresentação dos aspectos relacionados ao programa.

Para finalizar, ao assessor jurídico do Cosems RJ, Mauro Silva, apresentou um resumo das portarias no período O também assessor jurídico do Cosems RJ, Julio Dias, apresentou nota técnica sobre Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS), que registra as sanções aplicáveis aos prefeitos pelo não cumprimento do princípio de prestação de contas e chamou atenção para os municípios que ainda não homologaram as informações no sistema.

O novo secretário municipal de saúde de Macuco, Advar Exposto de Souza, recebeu boas-vindas durante o encontro e os gestores foram informados de que a edição 2018 do Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, promovido pelo Conasems, será realizado em Belém (PA) e não mais em João Pessoa (PB), como previsto anteriormente.

CIB apresenta situação das arboviroses no Rio de Janeiro

Na parte da tarde foi realizada a reunião da Comissão Intergestores Bipartite (CIB RJ). Foram pactuados, além de itens de credecimento e teto financeiro,outros informes. Durante o encontro, o superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da SES-RJ, Mario Sergio Ribeiro, apresentou o cenário da febre amarela e demais arboviroses no Estado do Rio de Janeiro nos primeiros meses de 2018 (1.844 casos de dengue; 137 casos de zika vírus; e 854 de chikungunya no período de 01/01 a 27/02/2018). “No caso do chikungunya, nossa maior preocupação, precisamos estar alerta à Região metropolitana II, com casos concentrados nos municípios de Niterói, Maricá, São Gonçalo e Itaboraí, que já contam com 804 casos, com 50% de confirmação”, alertou e especialista.

Sobre a febre amarela, o superintendente chamou atenção para a expansão e disseminação do vírus no Estado e apresentou números relacionados à distribuição de casos por sexo e faixa etária, e à cobertura vacinal. “O vírus está circulando e a saída para o enfrentamento da expansão da doença é a vacinação. Precisamos alcançar a meta de 95% de cobertura vacinal. É o momento de mobilizar recursos e logística para alcançarmos o objetivo”, finalizou Mario Sérgio.

Apresentações da Assembleia de Março:

 – Incorporação do uso das Penicilinas ao Componente Estratégico da Assistência Farmacêutica

Gestão da distribuição e dispensação de repelentes

Cenário das Arboviroses

Iniciativa Hospital Amigo da Criança no Brasil

Projeto Itinerários do Saber

Portaria – Habilitação Leitos Neonatais

Propostas da Superintendência de Atenção Básica

SAECA – Apresentação CIB março 2018


TOP